domingo, 6 de abril de 2014

AO COMBATE, SOLDADO!

Debate, aos debatedores.

Certos debates nada mais são do que discussões histéricas e sem propósito, haja vista àqueles promovidos por redes de televisão, em que os convidados são políticos em busca de votos e sem qualquer interesse na superação do conhecimento. 

Por isso é necessário firmar pacto em torno do que é uma coisa e outra.

Teses são para serem debatidas, para que as idéias lá expressas possam se afirmar ou serem refutadas. As discussões ficam por conta dos  políticos; essas nada mais são que um amontoado de promessas que nunca serão cumpridas.

É necessário que se leve em conta o lamentável e precário estado das idéias que giram em torno do que convencionamos chamar de política pois, são as idéias que governam o mundo.

De resto, àqueles que se resguardam na cátedra ou no desenvolvimento da pesquisa, alheio ao fervor político, estarão sepultando a possibilidade de um futuro promissor; são também responsáveis pelos caos que se avizinha, quiza com maior responsabilidade.

As trincheiras foram idealizadas para que se possa lutar com maior resguardo; afinal os estilhaços de lama são bastante daninhos àqueles que nunca imaginaram sujar suas mãos. Entretanto, é chegada a hora de um mergulho na imundície política para que se possa desbaratar a ninhada de ratos que lá se instalou.

Não pense ser o único, porque muitos já trilharam esse caminho de lama para filtrar do seu bojo a possibilidade de uma gota cristalina; até agora com resultados pífios, mas que aponta um norte possível.

É hora de sair do berço esplêndido para a montanha pedregosa, árida e íngreme; não nos é permitido protelar!

Ao combate soldado!

segunda-feira, 31 de março de 2014

ORDEM DO DIA

Soldados, irmãos em armas! Há quase meio século, atendendo o pedido da esmagadora maioria dos brasileiros, nossas tropas saiam às ruas, aclamadas, para por fim à tentativa de traidores, marginais e sociopatas de instalar em nossa Pátria um regime marxista, totalitário, uma extensão lacaia da URSS que pretendia daqui, espalhar suas garras por toda a América Latina, no cerco ao país da liberdade, os EUA.



Vitoriosa, a contra revolução de 1964 devolveu a ordem e a tranquilidade ao país, com um custo em vidas - em toda sua vigência - de algumas centenas de mortos e desaparecidos entre os inimigos, números que equivalem hoje a uma ínfima parcela mensal das vítimas da violência urbana, num país abandonado à sua sorte, governado fraudulentamente pelo inimigo que conquistou o poder graças à anistia cedida pelos próprios militares, que considerando finda a missão, retornaram ordeiramente aos quartéis.

Falhamos em nossa missão. Não se faz revolução sem sangue e assim acontecendo, o mal permanece. Fizemos um governo militar, não uma ditadura militar. Se assim fosse, esses homens, mulheres e seres híbridos que infestam uma pestilenta Brasília não estariam no poder, pois passaram quase todos pelas mãos de nossas forças de segurança. Houve tortura e mortos políticos? Sem dúvida e continua havendo até hoje em todo o mundo, de Cuba aos EUA, passando pela China, pela Rússia, pela Coreia. Continua havendo aqui, no Brasil da ditadura petista, hipócrita e covarde, que mata usando técnicas de criminosos comuns, assassinatos políticos lançados na fatura da violência urbana, na violência no campo. Os números de mortos, torturados e desaparecidos no regime militar brasileiro fariam a vergonha de qualquer comissário político estalinista, são inferiores aos do primeiro mês de Che Guevara no comando das execuções em Cuba, logo após a tomada do poder. Mas nossos mentirosos, nossas pretensas vítimas, estelionatários da militância, batem qualquer outros números, na lucrativa indústria das indenizações. Temos até um ministério encarregado de crescer lendas, criar outras, instigar o vil populacho à vingança contra os militares, no barulhento circo que abafa o ruído dos ratos vermelhos que corroem os cofres públicos.

Hoje, graças a nossa incapacidade de entender a periculosidade, a desonestidade e a perversidade de um inimigo que deveria ter sido eliminado em combate sem tréguas e dentro das normas jurídicas com a definitiva, inapelável pena de morte, condenamos o Brasil ao caos, ao retrocesso, a uma ditadura da ignorância onde a massa se torna cada vez mais estúpida mercê de uma educação de fachada, de uma política populista à altura dessa ignorância,da propaganda contínua que entorpece e engana, num ciclo contínuo de pretensa democracia que se perpetua.

Não há o que fazer, não há esperanças; resta-me desta, apenas um fio que os guerreiros, legítimos herdeiros dos heróis de 64, provem em ação que estou equivocado. As Forças Armadas com comandantes politizados e corruptos, infiltradas em todos os níveis hierárquicos, não mais honram seus alicerces de honestidade, dedicação, sacrifício. Que se abram os portões dos quarteis. Armas ao solo. Fora de forma, marche! Que assumam as milícias populares. O Brasil que conhecemos está morto.

Pedro Marangoni,Força Aérea Brasileira,1968-1972
Fonte: www.pamarangoni.blogspot.com.br

domingo, 16 de março de 2014

O BRASIL ESTÁ EM PERIGO!


A família é a base mais importante do ser humano; o esteio forte e firme que mantém o norte devido para o desenvolvimento de um percurso reto na vida social e existencial. 

No momento em que o estado se prostitui, por conta de governantes ilegítimos e fraudadores do conceito de nação; na hora exata em que espalha-se pelo país a ideia de que o mais importante é manter os interesses de pequenos grupos que se juntam por conta da sua significativa disfunção psicológica impondo atitudes em detrimento do laço mais importante de um homem; quando a dignidade não tem mais importância e a podridão da sarjeta se apresenta como norma que tentam impor a todos, o sorriso esvai-se da face daqueles que um dia lutaram pela decência, pela paz, pela integração dos seres e pelo verdadeiro amor, que exclui a lascívia, agora sendo imposta por escrotos travestidos de juristas que tentam exterminar também essa nação adormecida. O BRASIL ESTÁ EM PERIGO!


segunda-feira, 10 de março de 2014

Lula tem mordomias para viajar à Itália, para encontro com premiê e palestra na Pirelli



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Além de mandar no governo Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva continua desfrutando das mordomias do poder em proveito pessoal. O Secretário Executivo da Presidência da República, Diogo de Sant´Ana, autorizou o Assessor de Ex-Presidente da República, código DAS 102.4, a se afastar do Brasil de hoje (10) até o dia 13 de março. O servidor viaja, para preparar mais uma viagem de Lula a Roma.

O Processo 00200.000394/2014-53 informa que a operação é “com ônus”. Mas a falta de transparência não revela quanto se gasta com a benesse. Trata-se de mais uma demonstração de desperdício de dinheiro público. Além de aparelhar a máquina estatal, o regime petista tem prazer de abusar dela. A liberação do servidor para preparar a viagem de Lula está no Diário Oficial da União, seção 2, página 2, de 7 de março.

Na terça, Lula fará mais uma de suas palestras bem remuneradas aos membros do Conselho de Administração do grupo Pirelli, em Milão. O Instituto Lula divulgou que oficialmente, o Presidentro vai se reunir, na quarta-feira, em um almoço, com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi. Depois do rango, Lula retorna ao Brasil.

Não deve ser mera coincidência o Presidentro levar um papo com o premier italiano, junto quando o governo italiano analisa a extradição de Henrique Pizzolato. O ilustre petista foragido foi preso na Itália após condenação a 12 anos e 7 meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro na Ação Penal 470 – o famoso Mensalão (que Lula nega ter existido).

A Itália ainda deve demorar uns seis meses para definir se devolve Pizzolato. Os petistas querem que isto demore o máximo, de preferência ficando para depois da eleição de outubro. Formalmente, Pizzolato está preso por falsidade ideológica (tinha um passaporte falso em nome do falecido irmão Celso Pizzolato).

Pizzolato seria o principal arquivo vivo das operações de transferência de grana do Mensalão. Em um cofre bancário no exterior, Henrique Pizzolato tem uma caixa com três HDs (Hard Disks) contendo um arquivo completo de todas as negociações feitas entre 2003 e 2007 com o esquema do publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza. Pizzolato confia que tais documentos – que podem ser colocados à disposição das autoridades italianas – serviriam como seu “seguro de vida”.

O Ministério Público Federal já investiga se existe alguma relação entre as movimentações de conta de Pizzolato no exterior e uma volumosa remessa de dinheiro para o Brasil, coincidindo com as vultosas doações para os super-arrecadadores José Genoíno e Delúbio Soares. As recentes operações de Pizzolato teriam sido monitoradas pela Polícia Federal e pelo Coaf (órgão que investiga as atividades financeiras no Brasil).

Será que o Presidentro Lula nada falará com o premiê italiano sobre Pizzolato?

sábado, 15 de fevereiro de 2014

GUARDIÕES DA AMAZÔNIA E DO BRASIL

Quem visitou o CIGS sabe das várias emoções que àquele lugar desperta ao neófito; curiosidade, ansiedade, receio, entusiasmo, espanto, êxtase e outras peculiaridades subjetivas. Já faz parte da rotina do Centro receber visitantes, de autoridades à alunos de escolas; adultos e crianças; jovens e os mais experientes que tiveram o privilégio de chegar primeiro a este mundo.

O CIGS é um centro de excelência, de trabalho árduo, preciso e perfeito; errar pode custar caro à quem lá trabalha. Homens que defendem a Amazônia e a Pátria são os guardiões da Selva que nós, brasileiros, preservamos com muitíssima dificuldade pois, outros, não menos brasileiros mas pouco patriotas, a sucateiam e a destroem. 

Preservar a selva brasileira e cuidar daquelas fronteiras é andar no fio da navalha; não poder errar e ter no coração amor incondicional à Pátria.

É muito cômodo olhar o mapa e acreditar que bastaria colocar ali e acolá uma base do Exército e estaríamos vigiando nossas fronteiras. Ledo engano! Nossas fronteiras e a floresta amazônica dispõem de áreas tão extensas que talvez existam ainda locais nunca explorados.

É por isso que determinadas autoridades são convidadas a conhecer o CIGS. Deputados Federais, Senadores, Ministros de Estado, Membros do Judiciário, todos, de uma forma ou de outra, já tiveram oportunidade de conhecer a realidade amazônica. Se aprenderam alguma coisa e aproveitaram para criar leis adequadas à sua preservação é coisa que não sabemos, mas que tiveram a oportunidade de o fazer é coisa certa.

Nelson Jobim e o esforço para a pose fotográfica
Alguns aproveitam a oportunidade para continuar "politicando, afinal posar para fotografias ao lado da Onça mascote do CIGS desperta a atenção e cria um ar de "herói destemido". 

Não raro esses "heróis" colocam a mão naquele animal protegidos pelas duas correntes que o prendem e são seguras pelos soldados tratadores. É um "retrato" interessante de se ver. O ex-ministro da Defesa Nelson Jobim, entre tantos outros, já posou para tais fotos. 

Mas, fácil é colocar a mão na Onça, difícil é abraça-la!

Quando o General Heleno, que comandou o CIGS e foi o primeiro comandante das Forças Especiais no Haiti, foi para a reserva o "destemido herói da onça pintada", obedecendo cegamente à politicalha, proibiu seu discurso, "A contrarevolução que salvou o Brasil", tendo sido avalizado pelo General Comandante do Exército ENZO Martins Peri que, apesar da compulsória, continua no comando até hoje.
A tranqüilidade das Onças na Selva Amazônica

Calaram a Onça segurando-a pelas correntes, esqueceram da familiaridade do Gen. Heleno com a Selva e a sua postura íntegra que amealhou a simpatia de seus comandados e de muita gente brasileira.

Não basta posar ao lado da Onça acorrentada, tem que abraça-la e ter familiaridade tal que se misturam as Onças.

Sorte das cores vermelhas é que a Onça pintada só ataca para se defender.

Selvaaa!!!
  

Perguntas aos Black Blocs



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Professor Thales

Perguntar não ofende.

Por quê o Black bloc só destrói São Paulo e Rio de Janeiro?

Por quê o Black bloc não protesta contra o PT e seus corruptos?

Por quê o Black bloc não protesta em Brasília, onde está a maioria de corruptos, no Senado e na Câmara?

Por quê o Black bloc não protesta contra o aumento absurdo do IPTU, feito pelo petista Haddad em São Paulo?

Por quê o Black bloc não protesta contra o Mensalão? Maior caso de corrupção do Brasil?

Por quê o Black bloc não protesta contra a corrupção no Brasil, manifesta e vandaliza o Instituto Lula, os diretórios do PT, e base alugada, na frente da casa do Lula, Zé Dirceu, João Paulo, Delúbio, Genoino, casa da Rose, da Erenice, do Palocci e do Fernando Pimentel?

Por quê o Black bloc não protesta contra a privatização do Pré-sal, entregue a amigos do PT, quase de graça?

Por quê o Black bloc não tira a máscara e mostra a cara?

Por quê o Black bloc só protesta contra o governador Geraldo Alckmin?

Por último, quanto o PT paga para essa corja destruir São Paulo?

domingo, 15 de dezembro de 2013

FARDADAS E DE FUZIL NA MÃO

As mulheres podem passar despercebidas no meio de uma tropa, mas é indiscutível que estejão conquistando cada vez mais espaço dentro das Forças Armadas em diferentes países do mundo.
Campeões de Audiência
Campeões de Audiência
Na Alemanha, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Finlândia, Israel, Noruega, Nova Zelândia, Suécia e Suíça, por exemplo, elas podem participar, inclusive, da linha de frente dos combates. No Brasil, só podem ser combatentes, por enquanto, as mulheres pilotos de caça da Força Aérea Brasileira (FAB), como é o caso da tenente-aviadora Daniele Lins, segunda na galeria de fotos abaixo.
Só nos Estado Unidos, entre 2003 e 2009, mais de 200 mil mulheres serviram no Oriente Médio, principalmente no Iraque. Entre elas, cerca de 600 ficaram feridas e pouco mais de 100 morreram em combate. Na França, de acordo uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Defesa, entre os cerca de 340 mil soldados no país, há mais de 50 mil mulheres.
Um email que circula na internet mostra militares de diversos países com seus respectivos uniformes.
As bonitas fotos que selecionamos, entretanto, não mostram um dado alarmante: elas continuam sofrendo preconceito dentro das Forças Armadas e os casos de estupro são freqüentes. Por exemplo: cerca de 3 mil militares norte-americanas sofreram violência sexual em 2008, 9% a mais do que no ano anterior. Dentre as que estavam servindo no Iraque e no Afeganistão, o número subiu para 25%.
Em 2009, segundo dados do Exército americano divulgados pelo site da BBC, 30% das mulheres foram estupradas durante o serviço militar, 71% foram vítimas de violência sexual e 90% de assédio sexual.
Isso sem consideram os casos não divulgados. Um relatório do Government Accountability Office, organismo investigativo do Congresso dos EUA, concluiu que 90% das agressões sexuais não são notificadas, na maioria dos casos, devido ao receio das vítimas de serem perseguidas.

Áustria

Brasil

Coreia do Sul

Estados Unidos

Finlândia

Grécia

Indonésia

Irã

Israel

Nepal

Noruega

Polônia

Reino Unido

República Checa

Sérvia

Suécia

Turquia

PUBLICADOS in face 2013

1) Insistir em pensamentos relacionados ao passado é querer importunar a mente com as cinzas de um tempo que morreu; a vida está aqui e agora!

2) A família é a base mais importante do ser humano; o esteio forte e firme que mantém o norte devido para o desenvolvimento de um percurso reto na vida social e existencial.

3) A Ditadura do Conceito, apoiada pela mídia, sufoca o direito de ser feliz!

4) Mas... se deixássemos de lado a preocupação com o tempo e a sua passagem, rápida ou não, veríamos que, na verdade, o tempo está aí, parado, a nos contemplar; quem passa somos nós, depressa ou não, dependendo de como estamos observando o mundo ou, de como estamos fazendo e nos fazendo no mundo, pois o homem ao mesmo tempo em que faz o mundo faz também sua própria existência nesse mundo.

5) A mais dura batalha dessa guerra rotineira é vencer a si mesmo; desvencilhar-se da negatividade, do ego, da usura, do medo, da posse, do ódio. Àqueles que a isso superarem terão, enfim, suas vidas livres das amarras fatídicas que os amordaçam e sufocam; esse caminho livre abrirá as portas da felicidade e do amor, onde encontrarão os meios afortunados da plena existência, em que a razão e a emoção se encontram.


6) A esperança só se manifesta verdadeiramente se estiver sempre presente no pensamento e não gerar a angústia da finalização.

7) Humildade, humildade; precisamos aprender o que é humildade e o que significa! Muito além do senso comum.

P.S. Textos protegidos pelo Direito Autoral: LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.

domingo, 1 de dezembro de 2013

SACANAGEM POR SACANAGEM...

Pois, voltando ao assunto sobre relações conjugais e extra-conjugais, conversas sempre polêmicas, arrisco a dizer que o relacionamento extra conjugal é uma safadeza; uma grande safadeza de um dos cônjuges se o outro não souber, não estiver de acordo e não pagar com a mesma moeda. 

Não quero usar a palavra "trair", é muito forte e expressa uma outra conotação, muitíssimo mais grave.

Hoje a tarde encontrei um amigo que me confidenciou que sacaneava a esposa com uma solteirita.

Perguntei-lhe: - tua esposa sabe? 

A resposta: - tá louco? Claro que não!

Respondi-lhe: - Pois devias contar...

Não vou digitar o palavrão que estrondosamente foi vociferado pelo amigo, mas acrescento que soou a seguir uma advertência sobre um tal sigilo masculino em que os homens são parceiros e se defendem mesmo que para isso a verdade seja lançada à lama.

Pensei comigo: mas que é uma sacanagem com a esposa, hááá isso é! Custa contar?

Custa! E como custa! Na verdade a sacanagem só é sacanagem quando escondida do outro; não sendo, é compartilhamento da vadiagem.

Mas, me coloquei no lado sacaneado... Enquanto não descobrir a sacanagem o ego não arranha; entretanto, quando descobrir, o arranhão vai arder como se o sulco fosse maior do que na realidade o é.

Sem querer ser melodramático, a tal de dor da paixão não é nem um pouquinho interessante; é preferível não senti-la. Talvez por isso que, o sacaneado, muitas das vezes, nem queira saber da tal de sacanagem.

Deixe o sacana se locupletar, um dia ele se lasca!

Esse dia não falha. Cedo ou tarde o camarada se ferra.

Vejamos outro exemplo:

Um outro amigo, dos velhos tempos, sacaneava a esposa com uma novinha; (claro, são sempre as novinhas!) uma paixão de arder as orelhas, mesmo as mais geladas! A novinha estava caída de amores pelo velho amigo que não tinha se dado conta que seu trânsito existencial já tinha ultrapassado muito mais que o dobro da caminhada neste mundo da sua recente apaixonada; uma ruivinha esguia, cabeluda (daquelas que entopem os ralos dos banheiros com mechas de cabelos oxigenados, dando trabalho em dobro para as faxineiras dos motéis); enfim, para ele aquela sua recente paixão tinha como resultado os olhares dos amigos invejosos e já caquéticos e o desdém das mulheres que a vida já tinha surrado com as marcas profundas daquilo que convencionamos chamar de tempo. 

- Que sortudo(!) exclamavam alguns; 

- Parece avô da menina (!) diziam outros. 

Mas, creio, parecer o pai já seria um castigo suficiente.

- Tu parece o pai da ruiva (!) exclamei; não sem levar logo a seguir um safanão do amigo que se dividia entre o lar construído a quase meio século e o quitinete que frequentava fortuitamente em horas de fuga e de tesão reprimida mas que pagava regiamente o aluguel, um pouco alto, uma vez que o contrato não podia sair em seu nome (coisas de homem precavido).

Alguns anos mais tarde eu o reencontrei cabisbaixo.

- Mas o que foi tchê? Parece triste!

Imediatamente pela posição da cabeça, tombada à frente e com o nariz embicado para o chão, percebi que alguma coisa a mais estava pesando não sobre seus ombros, mas, mais acima.

É o ônus que se paga pelas paixões e volúpias em detrimento da parceria e da maturidade racional.

Voltando ao primeiro amigo, a solteirita sabe que o sacana é casado, e topou a brincadeira. 

Portanto, dois sacanas, sacaneando alguém incauto ou alguma alma sábia que não se quer machucar com dores que não lhes pertence. 

A solteirita topou a brincadeira? 

Nada disso! Preparava sorrateiramente seu futuro. Pé de meia tem que ser feito enquanto o tempo não marca os lugares reservados ao sol e aos fiozinhos de uma tal peça que um dia foi chamada de biquíni.

Enquanto esse tal amigo se disfarçava de garotão a tal solteirita se instalava confortavelmente no seu ego aformoseando o caminho para deixa-lo com olhos cor de rosa e, depois, a ver navios.

Dito e feito!

Tão logo faltou lenha no fogo da paixão, meu amigo se deu conta de que em casa nunca faltou lenha pois o amor é fogo perene e arde sem braseiro.

Ao querer retornar ao seu berço esplêndido foi surpreendido por um parzinho de sapatinhos cor de rosa, desses de boneca, com um bilhetinho sacana: você vai ser papai!

Sacanagem por sacanagem; seu prêmio tinha chegado: se lascou!

Teve sorte aquele amigo; enfim teve sorte!

Voltou para casa com o rabo entre as pernas, um filho a mais e um apartamento a menos; menos um carro e... bem vamos deixar barato.

domingo, 17 de novembro de 2013

LIBERTINAGEM!

Sodoma e Gomorra podem estar sendo revividas na era atual, pois o imoral não é sintetizado simplesmente pela propalada e escancarada libertinagem que transita livremente nas sociedades livres e democráticas; há que se dar atenção também há uma outra libertinagem, muito mais grave, representada pela violência, desordem social, drogas e a inversão de valores. 


domingo, 27 de outubro de 2013

ONDE ANDARÃO? Encontros, reencontros e desencontros...

Há vários anos venho republicando este texto em meus blogs; a intenção é o reencontro, saber por onde andam velhos companheiros de caserna, na esperança de retornar no tempo através da memória.

Albatroz: passaram-se 40 anos...
Em pé: Cb. Irapuan; Cb. Dario; Cb. Bittencourt; Cb. Azevedo; Cb. S. Gandon; 
Sgt. N. Gandon (hoje Capitão); Cb. Selmo (hoje Sgt) e, agachados: Cb. Brandolf; 
Cb. Dionísio (hoje Sgt) e Cb. Mative. Encontro na Praia de Albatroz.

Pois teve êxito essas publicações e muitos contatos foram efetivados; além da tenacidade do Cb. Dário, que conseguiu reunir 10 companheiros do antigo 1º/18º R.I. de Porto Alegre (hoje 18º BIMtz, sediado em Sapucaia do Sul-RS), na praia de Albatroz, mais de 40 anos depois de cumprida a missão militar inicial. 

Lá estiveram Cb. Bittencourt, Cb. Mative, Cb. Azevedo, Cb. Brandolf. Cb. Dario, Cb. Sidnei Gandon, Cb. Selmo (hoje Sgt reformado), Cb. Irapuan, Cb Dionísio (hoje Sgt reformado) e Sgt Nelson Gandon (hoje Capitão reformado). 

Além de um encontro preliminar feito no Atelier Selmo Ramos, em Porto Alegre, onde eu, Dario e Selmo confraternizamos em um almoço, também nos reunimos na Semana Farroupilha, para prestigiar nosso companheiro Cb. Mative, hoje cantor nativista, que se apresentou naquele palco em um evento brilhante. 

Recentemente, em Florianópolis, mais uma confraternização, desta vez na casa do Gandon, onde recepcionamos o Cb. Mative e sua família.

Já programamos outras festividades e esperamos o comparecimento de mais companheiros que um dia vestiram a farda verde oliva.

A lembrança é o repositório da história, a história existencial e a história de cada ser que transita neste mundo.

Os reencontros vêm acontecendo e eu agradeço muito àqueles que nos informam sobre um ou outro dos velhos companheiros da vida militar pois assim nossa história cria vida.

Informações são bem vindas...

Foi dessa forma, através de informações, que encontrei o filho do Cb. Adão Renato e pude saber que o velho companheiro do 9º R.C.B., de São Gabriel, para onde fui transferido, dando continuidade a minha vida militar, se encontra hoje em João Pessoa, já reformado, como sargento. 

Também, através da internet, reencontrei com o irmão do Cb Dias e 
pude lhe escrever. São acontecimentos de rara felicidade que nos remete ao passado trazendo alegria.


Juntamente com boas notícias, algumas tristezas; infelizmente o soldado Martins, nosso companheiro de Pelotar do 1º/18º R.I., que chegou ao posto de Capitão, partiu de forma inesperada e abrupta. Mas, assim é nossa existência; caminhamos... Também sabemos da partida de outros velhos companheiros, como o Sgt Salinhac, prematuramente falecido em acidente automobilístico; 2º Ten. Guedes (promovido a capitão) falecido também prematuramente em função de doença contraída na selva amazônica; Cb. Rudenir - Rudenir Meireles Cunha - Rudy Meireles (Artista Plástico e Poeta, falecido em função de doença contraída no exterior); Cb. Claudinei (depois Policial Civil) falecido após enfrentar uma paralisia por conta de troca de tiros com bandidos na sua missão policial; Sd. Boff (depois Cabo) e outros ainda que não temos informações precisas. 



A vida de cada um...
Cbs. Dario, Irapuan e Selmo; no Atelier Selmo Ramos.

Reencontrar os Cbs. Dario, Gandon e Selmo, hoje reformado como sargento, infantes dos bons tempos, foi de uma alegria ímpar. Saber que o Cb. Dionísio, também reformado como sargento, é um ermitão da praia e motociclista do asfalto; que o Cb. Mative é cantor nativista; que o Cb. Bittencourt é um empresário de sucesso em Torres; que o Cb Brandolf continua sendo um grande Mestre do Karatê; que o Cb. Azevedo trilhou o caminho da comunicação e que o nosso velho sargenteante Nelson Gandon é um Capitão de praia de água doce em Itapuã alegrou-nos muitíssimo.


Foi um tempo de vida, vivido na Caserna, entre o 1º/18º RI, QG da 6ª DI, 11ª Cia Com e o 9º RCB; de 1968 a 1973, e que permanecerá alimentando nossa memória.

Mas, insisto, onde andarão os velhos companheiros de Caserna? Onde andarão àqueles que ainda não temos notícias?

Sabemos que a internet é um meio eficaz de contatos e, por isso, qualquer internauta que nos trouxer informações ficaremos gratos.

Em busca de contatos... 

Pois, a pergunta continua: Onde andarão?...

Cb. Rondon; Cb. Carlos; Cb. Jacobsen; Cb. Maciel - Antonio Carlos Souto Maciel (último contato em Caxias do Sul-RS no ano de 1986 - onde exercia a profissão de radialista); Cb. Carvalho (Sgt. da Reserva); Cb. Gomes; Sd. Getúlio (reincluído em 1969 ou 68); Sd. Pereira; Cb. Valmor; Sd. Aquiles - Aquiles Eder (de Videira - Santa Catarina); Sd. Gayer - Omar Gayer (herdeiro das empresas Gayer); Cb. Cambraia; Cb. Portela; Cb. Tavares; Cb. Teixeira; Cb. Bombardeli; Sd. Osório; Sd. Nélio;  Sd. Tolentino; Sd. Edgar; Sd. Pereira; Sd. Laudelino; Cb. Mathias; Cb. Claudiomar; Cb. Beltrão (músico); Cb. Valiatti (músico); Sd. Pimentel; Cb. Severo (provavelmente assessor político); Sd. Frota (provavelmente policial civil); Sd. Deuner; Sd. Airton. Sd. Nei (fotógrafo); Sd. Strapassom (fotógrafo); Sd. Belea; Sd. Ferrão (barbeiro); Sd. Macedo; Sd. Willirich;  Sd. Vargas; Sd. Albino; Sd. Lopes; 2º Sgt. Odracir; 3º Sgt. Lima; 3º Sgt. Flávio; 3º Sgt. Lydio (Cozinheiro e Corneteiro); 3º Sgt. Tamir; 2º Ten. R2 Adel; 1º Ten. Inf. Hilgemberg - Manuel Aldu Teixeira Hilgemberg; 1º Ten. Inf. Porciúncula; 1º Ten. Inf. Correia Lima; 2º Ten. Inf. Messias; 2º Ten. Inf. Sparta (hoje Coronel da Reserva); Capitão Inf. Cordeiro - Fernando Vilhena Cordeiro - (hoje Coronel da Reserva); Capitão Inf. Caggiano - João Caggiano Neto - (Hoje Coronel da Reserva); 2º Ten. R2 Estrázulas (Cursou a AMAN; em nosso último contato havia sido promovido ao posto de Capitão e servia em Cruz Alta, no 17º BI); 2º Ten. R2 Clézio (também cursou a AMAN, companheiro inseparável de Estrázulas; continuou no oficialato); Major Inf. Índio; Cel. Inf. Magalhães; Cel. Inf. Sharnadoff - Harry Alberto Sharnadoff; Ten Cel. Cav. Ney - Ney Lauro Nunes de Carvalho; Cel. Cav. Jacobina - Alberto Bayard Pereira Jacobina (nosso último contato foi em Brasília, no ano de 2004); Capitão Com. Brocardo - Odone Silvio Viero Brocardo (Coronel da Reserva; nosso último encontro foi em São Paulo, no ano de 2003); Major Cav. Léo; Major Cav. Salgado; Capitão Inf. Assis e seu irmão, Capitão Cav. Assis; 2º Ten. R2 Carvalho (cursou a Academia da Polícia Militar do MT e continuou no oficialato); 2º Ten. R2 Marloi; 2º Ten. R2 Bittencourt; 2º Ten. R2 Amodeo - Salvador Amodeo Neto; 2º Ten. R2 Fernando (Cursou a Academia Naval e continuou no oficialato); 3º Sgt. Coimbra (Cursou a Academia Naval e foi para o oficialato); 2º Ten. R2 Cavalinho; 3º Sgt. Adailton; 2º Sgt. Calvi; 3º Sgt. Odone; 3º Sgt. Valério; 2º Sgt. Salgado; 2º Ten. R2 Marder; 2º Ten. R2 Vicente - João Vicente Vitola; ; Cap. Dentista Del’Olmo - Florisbal Del'Olmo; 2º Ten. Médico Macy;  2º Ten. R2 apelido "Cabecita"; 1º Ten. Com. Amorim - Rui Amorim de Lima - (abandonou o Exército em meio as acusações de amizade com o Capitão Lamarca, que desertou por conta de envolvimentos com a guerrilha pós 64); 2º Ten. R2 Byron - Paulo Byron de Oliveira Soares Filho (hoje Artista Plástico);  3º Sgt. Cícero; Gen. Borges Fortes - Breno Borges Fortes; Gen. Mourão; Gen. Mena Barreto;  2º Ten. R2 Cesar; 2º Ten. Inf. Sávio; 2º Ten. Com. Élcio e os alunos da 11ª Cia. Com. CFC 1969, Cb. Santa Maria; Cb. Bonemar (pela internet foi possível reencontrá-lo; e hoje reside em Campo Grande/MS com sua família; é empresário), Cb. Elso, Cb. Silveira; Sd. Leonardo, Sd. Tolfo, Sd. Siega, Sd. Costa, Sd. Bittencourt, Sd. Prates, Sd. Assis; além de tantos outros, do 1º/18º RI, do QG da 6ª DI, da 11ª Cia. Com e do 9º RCB, que as imagens são presentes, mas os nomes se perderam pelo acúmulo de informações em nossa memória.


Claro que, à distância, eu soube das promoções; das reformas; de algumas mudanças de carreira, assim como, inevitavelmente, de alguns que já se despediram da vida; mas o trânsito no mundo exige-nos o caminhar constante.

Cada um daqueles que um dia se encontraram tem o seu mundo e o faz a cada instante, pois a existência é feita também da materialidade, com suas competições e a permanente busca por ascensão social; por esta razão meus feitos não ficaram estagnados, mas, infelizmente, distanciaram-me de muitos daqueles com quem um dia convivi.

Os nomes fazem parte da lembrança que celebramos durante um instante do tempo existencial e nos apontam o significado de Ser com o Outro. Essa identidade materializa a memória e a faz viva em nova perspectiva revivendo o passado cristalizado no tempo.


Seriam necessárias várias páginas para ser fiel a todos os que participaram e ainda participam da vida de alguém; no meu caso eu deveria acrescentar colegas de profissões, como os professores; colegas de atividades, como os de parlamento; colegas das universidades e faculdades e os amigos; estes poucos, muito poucos. Mas pensei que os meus 18 anos seria um marco referencial e por isso enumerei os companheiros da caserna, de um instante de tempo que somou mais de cinco anos. Propositalmente os nomes não estão em ordem de hierarquia e muito menos divididos por unidade militar, pois todos eles de um tempo e outro, com divisas, sem divisas ou com estrelas gemadas ou não, foram seres humanos de um interregno do meu tempo existencial.

Onde andarão?

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

PENSANDO ALTO

Vive-se um momento de rusgas intensas e sem possibilidade de trégua; a vida política e social degrada o ser humano pelo abuso e astúcia de um lado e pela inércia e ignorância de outro. 

Somos reféns de nossos próprios atos, insanos ou ingênuos. Um verdadeiro cabo de guerra em que cada um puxa para um lado; o vencedor é sempre lobo da sua própria carne.