quarta-feira, 8 de abril de 2015

INCÊNDIO EM ALEXANDRIA

Foto 01
Um dos maiores acervos do mundo, calculados em um milhão de documentos, foi destruído pelo fogo, possivelmente em um incêndio criminoso ou, na história mais amena, acidentalmente, num episódio que aponta Júlio Cesar (Caius ou Gaius Iulius Caesar ou IMP•C•IVLIVS•CÆSAR•DIVVS - 100 a.C./44 a.C.) como seu causador.

A Biblioteca de Alexandria abrigava documentos originários da Assíria, Grécia, Pérsia, Índia e de muitas outras civilizações; um acervo guardado por mais de cem pessoas que lá viviam em tempo integral para pesquisar, traduzir, copiar documentos, além de auxiliar também na tradução de aulas e conferências.

Foto 02
A foto 01 mostra a antiga Biblioteca de Alexandria e a foto 02 a biblioteca reconstruída em 2002. 

As fotos 03, 04, 05 e 06 mostram a catástrofe da minha Alexandria, queimada acidentalmente, sem a interferência de Júlio Cesar, e que destruiu uma história bibliográfica amealhada em longos anos, com um acervo de mais de 2 mil livros, revistas científicas, coleções raras como a Summae Theologiae de Sancti Thomae Aquinatis; coleção de Freud e Jung; todos os livros em Francês de Simone de Beavoir; minhas teses e dissertações datilografadas (no tempo da Remington e Olivetti); meus escritos para livros em andamento e os malditos, ou benditos, "Pen Drives" que continham minhas ilações e meus escritos não editados com formatação para livros, alguns reunindo teses iniciadas em 2002. O fogo destruiu obras de arte de diversos artistas, meus amigos, alguns já no mundo idílico dos céus, em que o valor sentimental certamente superou o desembolso feito. 

Uma única obra foi salva: o quadro "Ghost", do Artista Plástico Vanderlei Assis​, que adquiri em Brasília, em uma exposição no Congresso Nacional; agradeço o empenho do Sgt. Edson que, juntamento com os bombeiros, nada puderam fazem a não ser o rescaldo, mas buscar àquele quadro em meio às chamas foi um gesto no mínimo surpreendente. O nome do quadro talvez tenha alguma coisa relacionada à sua "salvação". 

Mas virou cinzas outros documentos e processos da vida parlamentar; títulos, quadros e certificados da vida acadêmica, entre os quais os certificados de conferências, palestras e seminários em que atuei na Europa e Estados Unidos; foram-se, também, fotos da vida acadêmica, parlamentar e estudantil e as fotos de recordação das "andanças" em quatro continentes desse mundão que Deus erigiu para os homens.

Minha Alexandria também ardeu no fogo acidental; sorte que sou brasileiro; não desisto nunca!
Foto 03

Foto 04

Foto 05

Foto 06



Foto 07
Assim é que, se alguns de meus ex-alunos (mesmo àqueles que já estão de barbas brancas); meus ex-auxiliares e assessores; meus ex-colegas, hoje todos amigos, tiverem fotos de nossos encontros acadêmicos na Ulbra, na UCS, na FADOM, na FCU, na SBC; na FAT e até na AWU; e outras fotos que marcaram uma trajetória de vida profissional, as estou aceitando, através de cópias; hoje mais facilitadas pelo processo eletrônico, o que já me possibilitou reaver alguma coisa como poderão ver na foto 07. 

domingo, 5 de abril de 2015

É PRECISO CORAGEM

O tema existencialismo não está na "boca do povo" e por isso aborda-lo muitas vezes torna-se enfadonho para àqueles que não estão familiarizados com a filosofia; entretanto, é sempre bom comentar "en passant" fragmentos amenos, próximo à popularidade.

Deparei-me hoje com uma cena já normal nas grandes capitais: A sarjeta e o caos onde habitam humanos sem rumo, sem norte, à margem do que se convencionou chamar de sociedade; vítimas de si mesmo; entregues à ruína da exaustão existencial; presos à ilusão de drogas e à necessidade da compaixão do outro. À beira do abismo!

Fiquei a pensar...

O que leva o indivíduo a desgostar de si; a entregar-se ao nada; a debruçar-se sobre a lama e a imundície desse lodo desumano que lhes esfacela o corpo, inutiliza sua alma e o desliga do seu próprio Ser, desalojando-o do seu espírito?

Por que essa alienação da vida; o corte do ínfimo fio que o ligaria a uma história comum de todos os humanos; à opção insana pelo mais profundo e escuro oceano do vazio existencial?

Se nem mesmo esses humanos que vagam pela escuridão da vida se revelam a si, certamente que mudos estarão a qualquer desses questionamentos.

Mas a existência não é muda; a filosofia não é muda; a razão não é muda; a reflexão não é muda; o mundo não é mudo e a sociedade não deveria ser muda, embora se cale!

Não há desculpa para o culpado e o júri um dia aplicará uma sentença, pois a Lei deve ser cumprida, aqui e acolá.

E qual a Lei que irá punir àquele, àquela, e todos os culpados pelos zumbis que se acotovelam, se esbarram entre si e entre outros, na escuridão de uma existência insana que lhes foi imposta por um determinismo que não escolheu?

Quando nos deparamos com a miséria insana de corpos que se vendem, que se alugam e que se dão, uns aos outros, na podridão da alienação por fraqueza, ou por insanidade, escondendo-se numa tragada de crack ou qualquer outra ilusão que lhes satisfaça o nada existencial, perguntamos se não haverá dentre todos nós responsáveis pelo caos que se instalou numa sociedade que se quer humana?

A cada passo dado, um aqui e outro acolá, as vidas se instalam em ventres diversos e o mundo é alimentado segundo a segundo com seres humanos que ao acaso habitam e desabitam um plano existencial. Os olhos da sociedade ficam cegos a esse vai-e-vem e na imensidão do tempo, que nos contempla, transitamos pela existência como se dela e nela somente o acaso fosse a razão. Não nos perguntamos por que um ventre viciado, alienado e jogado na sarjeta das drogas e do mundo é habitado por outro Ser que o mesmo caminho seguirá. Somos solidários com a miséria humana e ainda temos desculpas religiosas para o submundo social que à margem, e marginalizado, sustenta o “status quo” dessa “divina comédia”.

É de se perguntar: Por que e para que filhos do submundo?

Para que espíritos aqui venham cumprir sua missão; mesmo que seja a de viver como zumbis?

Não mais me serve essa teologia da necessidade espiritual; o que está a me parecer como desculpa para excluir-se da responsabilidade de um mundo insano.

É por isso que fica dificílimo ser um existencialista e ao mesmo tempo um Cristão. É preciso ter muita fé para ser existencialista e olhar profundamente para esse mundo que aí está, e que nele estamos, e apenas contempla-lo, deixando seguir seu curso como se nada fosse de nossa responsabilidade, a não ser, eximir-se da culpa.

Vamos ao processo de alteridade: Eu não queria ser como esse outro, mas colocando-me no lugar desse outro, vejo-me inerte para gritar por socorro, embora esteja com a mão estendida para que me tirem dessa lama.


Até quando?

quarta-feira, 25 de março de 2015

OS SEIOS DA MARQUEZINE

O que tem dentro das cabecinhas "pensantes" de certa (o)s "artistas"? Pelo menos as manchetes do dia induzem-nos a pensar que o nada é um lugar oco, ausente de qualquer conteúdo, um espaço vazio, profundamente escuro em que não perpassa nem o ar. Um túnel aerodinâmico em que se dissipa o ar e qualquer outro componente externo deixando-o como em um vácuo. Pois, talvez, assim se comportem certas cabecinhas "pensantes" que se elevam ao topo do "sucesso" através, e simplesmente, pelo TER.

TER: aquilo que nos é externo; que não somos, só temos a posse; que se pode ostentar; que esta além do SER.

SER: o Eu verdadeiro e único; aquilo que é e não pode "não ser". O que se deveria dar valor maior.

Pois, então, vamos falar da vida dos outros. 

Forme ne exprime pas la beauté.
As cabecinhas tais, ostensivamente aplaudidas pelas manchetes do dia, conservam-se no topo dos "disse-que-me-disse" quando ostentam alguma coisa. Ou seja, o que lhes é externo. Invariavelmente, as mulheres das manchetes, procuram ostentar o corpo; e o ostentam. Muitas, apesar de não beneficiadas pela natureza, beneficiaram-se dos retoques e aformoseamentos da estética e, no mundo virtual, dos chamados photoshop. Senão vejamos: Bruna Marquezine, a ex-badalada do jogador, se mantém na mídia a qualquer momento quando mostra o detalhe da coxa ou belisca um raio de luz no sutiã (quando o usa); a mais recente deixou-o (não o sutiã) quase em desnudo. O sucesso é geral e a manchete de hoje foi: "Bruna Marquezine aposta em decote profundo para prestigiar evento de moda em São Paulo". 

Não poderia prestigiar o evento sem mostrar a beleza da natureza (embora essa beleza, no caso da moça, já esteja se desfazendo pelo (mau) uso)? 

Não, meus caros, é preciso frisson! É preciso que o "povo" se aliene em alguma coisa que não seja próximo aos neurônios superiores (existem os inferiores, não sabiam?). Pois, lá se postaram fotos e fotos da moça com os seios brincando de esconde-esconde numa blusa "voal" (porque o sutiã já voou). A natureza não foi assim tão criteriosa com a "bela" mas os retoques dos cremes e o photoshop foi; e como foi. Com a contribuição da famigerada mídia então... Sucesso!!! Ahhhh, não vamos esquecer o jogador, e seu topete.

Por que? Por que não darem o crédito àquilo que é mais importante? 

Por que? 

Bruna Marquezine é uma boa atriz desde criança. Sabe muito bem a arte da dramatização. Tem o perfil adequado para determinados personagens e sabe como poucas interpreta-los. Por que isto não se sobrepõe à sua estética? Que por sinal é aformoseada. 

Por que?

Claro que o talento é coisa temerosa; pensar nem se fala. Mas isto desde que o mundo se tornou mundo (e se tornou mundo quando alguém começou a ver o mundo). 

Então? 

O valor está no Ter e não no Ser? 

A resposta é: Infelizmente sim!

O corpo faz parte do Ter; aquilo que não é. Apenas se tem. Se tem por um precioso, curtíssimo e finito tempo existencial. Aformoseá-lo faz parte das "conquistas" tecnológicas buscadas pela mundo social. Nesse mundo vale mais a posse; aquilo que se tem e ostenta. Pouco vale o Ser; àquilo que se É; e enquanto É, não pode "não ser".

Não mais nos preocupamos com o mais importante no ser-humano; preocupamo-nos, e observamos, àquilo que o outro ostenta. Assim, também ostentamos, e preocupamo-nos em ostentar para o outro. É um mundo de fantasias!

Eu já vi, e ouvi, Marquezine interpretar, ainda quando criança, e o seu talento artístico é, certamente, muitíssimo mais importante que seus seios à mostra. Assim como outras atrizes têm também como mais importante a capacidade intelectual e artística e não, apenas, a estética e a insinuação sexy como apelo àqueles que vêm apenas com os olhos.
C'est fini!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

ENQUANTO ISSO...

Enquanto as coisas acontecem... Enquanto isso... Alguns pescam, pois gostam de pescaria; outros burilam a madeira, ou o ferro. Marceneiros, Artesãos, Escultores... todos artistas são! Um peixe ali, outro acolá e o anzol na mão; perícia com seus anzóis, carretilhas ou molinetes. Enquanto isso... as coisas acontecem. Há àqueles que escrevem, que contam histórias ou poetam; talvez porque a vida é uma poesia e o viver um conto a ser contado. Mesmo agora, neste instante, alguém estará lendo, e viajando nas letras do livro escolhido. Ainda têm àqueles que falam, e falam, pois falar é seu ofício; seja ele o de ensinar, seja ele o de legislar, a fala é também a forma de interpretar, de contar e de encantar. 

Enquanto isso as coisas acontecem... Existem outros ainda que pensam, e pensam, e seu pensar talvez a nada sirva, sendo apenas ócio, como um dia disse o filósofo. Mesmo esse ócio ocupa um tempo e no tempo faz seu trânsito, o trânsito existencial; caminho temporal de um dia à outro dia, de uma noite à outra noite, de seu tempo à seu tempo que, finito sendo, tem em seu tempo o limite. Alguns pescam; outros burilam a madeira, o ferro... Alguns escrevem e outros falam. O tempo espreita e o caminho do caminhante é marcado pelos passos do transeunte casual. Do acaso ao ocaso, os passos marcados se confundem com tantos passos que se perdem no trânsito existencial. 

Enquanto isso... 

terça-feira, 10 de junho de 2014

Existência e Ser!

De um modo geral ficamos amuados com esse negócio do tempo; porque o tempo passa, ou melhor, nos passamos pelo tempo! Sem dúvida, este fato nos deixa amuado; deveras!

Talvez seja por essa razão que nos maquiamos. Pinta-se o cabelo; pinta-se a barba; pinta-se aqui e acolá. Pintamos e bordamos! É uma forma de se driblar esse negócio de velhice, terceira idade, melhor idade e um montão de outras tergiversações que nos empurram.

Quando as reflexões exageram, e começamos a nos angustiar, então partimos para o ataque; tudo que não conseguimos fazer e tudo que hoje não é mais como dantes deixa-se de lado e apostamos na netinha, ou no netinho. Queremos que eles façam tudo que não conseguimos fazer ou que não mais podemos fazer. Então, é netinha dançando funk, samba, axé; é bundinha pra lá e pra cá. É desfile de moda, é desfile de miss, é batom na boca, vermelhão, e pintura nos cílios, pretão. Um borrão que dá dó!

Mas não adianta, o travesseiro é infernal!

Mas não desistimos, afinal tem o Facebook!

Essa grande sacada da modernidade nos rejuvenesceu; mas só na internet!

Mesmo assim, enganado e enganando-se postamos fotos e mais fotos de um tempo que não mais existe. Mas, a juventude estampada em cada foto alimenta o ego por alguns instantes. Mais postagens e retroalimentamos a insaciabilidade de se manter outro frente ao momento de agora. Queremos ser outro, queremos ser o que já fomos, queremos o viço da juventude perdida, e perdemos para o tempo; pois ele é inexorável e continua, a cada instante, nos distanciando daquilo que se busca através da ilusão de uma foto, de uma máscara, de um bordado no rosto.

A maquiagem existencial é impossível! Então, possuídos de saudades de nós mesmos, olhamos aquela abstrata imagem de uma caminhada no mundo que não mais existe e, percebemos “an passant”, que a vida é efêmera e o feito passado foi perdido na imensidão do tempo.

E o que mais esquecemos?

Esquecemo-nos de nós mesmos, de nós hoje, de nós agora!

Esquecemo-nos de viver o instante; de viver o presente; de mostrar “minha cara” e desnudar "minh’alma" como ela é. As máscaras e as fotografias são simples borrões de um tempo que não mais me pertence e eu, sou somente no agora.

É preciso Ser no mundo e não mais, simplesmente, estar no mundo. A beleza fundamental esta dentro de cada um de nós; a verdadeira imagem nunca se apaga e brilha no fundo de cada ser humano.

Vamos postar as fotos de agora; das rugas da vida, dos cabelos brancos que a neve existencial tingiu para nos fazer maravilhosos; vamos mostrar a viscosidade da vida e a excelência plantada dentro de cada alma.

Vamos nos mostrar, sim, quem quiser se mostrar; mas mostrar a si como Ser e não mais como uma mera fotografia do passado em que o viço da vida esta escondido pelo amarelado do papel ou borrado de tinta, sujo da imperfeição química que nos mascara escondendo-nos de nos mesmos.

Amordace o ego da futilidade e solte as amarras do Ser, liberando-se para a vida!


Et vita vestra Morbi fluentia!

quarta-feira, 7 de maio de 2014

OS JOVENS PODEM QUASE TUDO! baby dont hurt me


Quando as brincadeiras são saudáveis os jovens podem quase tudo; as brincadeiras inocentes servem para extravasar e gastar os hormônios, que estão a flor da pele.

Não assisti a totalidade do vídeo acima; apenas uma pequena parte em que vi garotas saudáveis em brincadeiras de duas jovens sadias e sem malícias maiores. Pelo que assisti essas brincadeiras são bastante amenas em comparação aos funks no Brasil e as postagens que invadem a internet com obscenidades, palavrões e cenas de sexo quase explicito; sem contar o sexo explicito de sites pornográficos.

A juventude necessita extravasar; é o momento em que podem quase tudo e, quando não existe malícia e as provocações são inocentes, assim devem ser consideradas. A preocupação maior que se tem é com adultos que não percebem os limites e o que é brincadeira e o que não é. E aí reside o perigo! Muitas jovens, incautas, caem na rede de canalhas que estão sempre a espreita aguardando que inocentes caiam em suas armadilhas.

A internet hoje é um perigo, por conta de bandidos que agem indistintamente e estão sempre a procura de um deslize para invadir e abocanhar o que não lhes pertence.

Deixemos os jovens extravasar mas, preocupemo-nos com sua inocência, que deve ser preservada.

Cada ser humano tem seus momentos; os jovens estão em seu momento de liberdade e despreocupação, resguardados pela inocência quando agem com brincadeiras não maliciosas e ingênuas.

Deixemo-los brincarem, enquanto têm tempo, durante  esse momento de juventude despreocupada e sem grandes responsabilidades. Eles podem, quase tudo!

Aos adultos o dever de não deixa-los se machucarem!

domingo, 6 de abril de 2014

AO COMBATE, SOLDADO!

Debate, aos debatedores.

Certos debates nada mais são do que discussões histéricas e sem propósito, haja vista àqueles promovidos por redes de televisão, em que os convidados são políticos em busca de votos e sem qualquer interesse na superação do conhecimento. 

Por isso é necessário firmar pacto em torno do que é uma coisa e outra.

Teses são para serem debatidas, para que as idéias lá expressas possam se afirmar ou serem refutadas. As discussões ficam por conta dos  políticos; essas nada mais são que um amontoado de promessas que nunca serão cumpridas.

É necessário que se leve em conta o lamentável e precário estado das idéias que giram em torno do que convencionamos chamar de política pois, são as idéias que governam o mundo.

De resto, àqueles que se resguardam na cátedra ou no desenvolvimento da pesquisa, alheio ao fervor político, estarão sepultando a possibilidade de um futuro promissor; são também responsáveis pelos caos que se avizinha, quiza com maior responsabilidade.

As trincheiras foram idealizadas para que se possa lutar com maior resguardo; afinal os estilhaços de lama são bastante daninhos àqueles que nunca imaginaram sujar suas mãos. Entretanto, é chegada a hora de um mergulho na imundície política para que se possa desbaratar a ninhada de ratos que lá se instalou.

Não pense ser o único, porque muitos já trilharam esse caminho de lama para filtrar do seu bojo a possibilidade de uma gota cristalina; até agora com resultados pífios, mas que aponta um norte possível.

É hora de sair do berço esplêndido para a montanha pedregosa, árida e íngreme; não nos é permitido protelar!

Ao combate soldado!

segunda-feira, 31 de março de 2014

ORDEM DO DIA

Soldados, irmãos em armas! Há quase meio século, atendendo o pedido da esmagadora maioria dos brasileiros, nossas tropas saiam às ruas, aclamadas, para por fim à tentativa de traidores, marginais e sociopatas de instalar em nossa Pátria um regime marxista, totalitário, uma extensão lacaia da URSS que pretendia daqui, espalhar suas garras por toda a América Latina, no cerco ao país da liberdade, os EUA.



Vitoriosa, a contra revolução de 1964 devolveu a ordem e a tranquilidade ao país, com um custo em vidas - em toda sua vigência - de algumas centenas de mortos e desaparecidos entre os inimigos, números que equivalem hoje a uma ínfima parcela mensal das vítimas da violência urbana, num país abandonado à sua sorte, governado fraudulentamente pelo inimigo que conquistou o poder graças à anistia cedida pelos próprios militares, que considerando finda a missão, retornaram ordeiramente aos quartéis.

Falhamos em nossa missão. Não se faz revolução sem sangue e assim acontecendo, o mal permanece. Fizemos um governo militar, não uma ditadura militar. Se assim fosse, esses homens, mulheres e seres híbridos que infestam uma pestilenta Brasília não estariam no poder, pois passaram quase todos pelas mãos de nossas forças de segurança. Houve tortura e mortos políticos? Sem dúvida e continua havendo até hoje em todo o mundo, de Cuba aos EUA, passando pela China, pela Rússia, pela Coreia. Continua havendo aqui, no Brasil da ditadura petista, hipócrita e covarde, que mata usando técnicas de criminosos comuns, assassinatos políticos lançados na fatura da violência urbana, na violência no campo. Os números de mortos, torturados e desaparecidos no regime militar brasileiro fariam a vergonha de qualquer comissário político estalinista, são inferiores aos do primeiro mês de Che Guevara no comando das execuções em Cuba, logo após a tomada do poder. Mas nossos mentirosos, nossas pretensas vítimas, estelionatários da militância, batem qualquer outros números, na lucrativa indústria das indenizações. Temos até um ministério encarregado de crescer lendas, criar outras, instigar o vil populacho à vingança contra os militares, no barulhento circo que abafa o ruído dos ratos vermelhos que corroem os cofres públicos.

Hoje, graças a nossa incapacidade de entender a periculosidade, a desonestidade e a perversidade de um inimigo que deveria ter sido eliminado em combate sem tréguas e dentro das normas jurídicas com a definitiva, inapelável pena de morte, condenamos o Brasil ao caos, ao retrocesso, a uma ditadura da ignorância onde a massa se torna cada vez mais estúpida mercê de uma educação de fachada, de uma política populista à altura dessa ignorância,da propaganda contínua que entorpece e engana, num ciclo contínuo de pretensa democracia que se perpetua.

Não há o que fazer, não há esperanças; resta-me desta, apenas um fio que os guerreiros, legítimos herdeiros dos heróis de 64, provem em ação que estou equivocado. As Forças Armadas com comandantes politizados e corruptos, infiltradas em todos os níveis hierárquicos, não mais honram seus alicerces de honestidade, dedicação, sacrifício. Que se abram os portões dos quarteis. Armas ao solo. Fora de forma, marche! Que assumam as milícias populares. O Brasil que conhecemos está morto.

Pedro Marangoni,Força Aérea Brasileira,1968-1972
Fonte: www.pamarangoni.blogspot.com.br

domingo, 16 de março de 2014

O BRASIL ESTÁ EM PERIGO!


A família é a base mais importante do ser humano; o esteio forte e firme que mantém o norte devido para o desenvolvimento de um percurso reto na vida social e existencial. 

No momento em que o estado se prostitui, por conta de governantes ilegítimos e fraudadores do conceito de nação; na hora exata em que espalha-se pelo país a ideia de que o mais importante é manter os interesses de pequenos grupos que se juntam por conta da sua significativa disfunção psicológica impondo atitudes em detrimento do laço mais importante de um homem; quando a dignidade não tem mais importância e a podridão da sarjeta se apresenta como norma que tentam impor a todos, o sorriso esvai-se da face daqueles que um dia lutaram pela decência, pela paz, pela integração dos seres e pelo verdadeiro amor, que exclui a lascívia, agora sendo imposta por escrotos travestidos de juristas que tentam exterminar também essa nação adormecida. O BRASIL ESTÁ EM PERIGO!


segunda-feira, 10 de março de 2014

Lula tem mordomias para viajar à Itália, para encontro com premiê e palestra na Pirelli



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Além de mandar no governo Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva continua desfrutando das mordomias do poder em proveito pessoal. O Secretário Executivo da Presidência da República, Diogo de Sant´Ana, autorizou o Assessor de Ex-Presidente da República, código DAS 102.4, a se afastar do Brasil de hoje (10) até o dia 13 de março. O servidor viaja, para preparar mais uma viagem de Lula a Roma.

O Processo 00200.000394/2014-53 informa que a operação é “com ônus”. Mas a falta de transparência não revela quanto se gasta com a benesse. Trata-se de mais uma demonstração de desperdício de dinheiro público. Além de aparelhar a máquina estatal, o regime petista tem prazer de abusar dela. A liberação do servidor para preparar a viagem de Lula está no Diário Oficial da União, seção 2, página 2, de 7 de março.

Na terça, Lula fará mais uma de suas palestras bem remuneradas aos membros do Conselho de Administração do grupo Pirelli, em Milão. O Instituto Lula divulgou que oficialmente, o Presidentro vai se reunir, na quarta-feira, em um almoço, com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi. Depois do rango, Lula retorna ao Brasil.

Não deve ser mera coincidência o Presidentro levar um papo com o premier italiano, junto quando o governo italiano analisa a extradição de Henrique Pizzolato. O ilustre petista foragido foi preso na Itália após condenação a 12 anos e 7 meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro na Ação Penal 470 – o famoso Mensalão (que Lula nega ter existido).

A Itália ainda deve demorar uns seis meses para definir se devolve Pizzolato. Os petistas querem que isto demore o máximo, de preferência ficando para depois da eleição de outubro. Formalmente, Pizzolato está preso por falsidade ideológica (tinha um passaporte falso em nome do falecido irmão Celso Pizzolato).

Pizzolato seria o principal arquivo vivo das operações de transferência de grana do Mensalão. Em um cofre bancário no exterior, Henrique Pizzolato tem uma caixa com três HDs (Hard Disks) contendo um arquivo completo de todas as negociações feitas entre 2003 e 2007 com o esquema do publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza. Pizzolato confia que tais documentos – que podem ser colocados à disposição das autoridades italianas – serviriam como seu “seguro de vida”.

O Ministério Público Federal já investiga se existe alguma relação entre as movimentações de conta de Pizzolato no exterior e uma volumosa remessa de dinheiro para o Brasil, coincidindo com as vultosas doações para os super-arrecadadores José Genoíno e Delúbio Soares. As recentes operações de Pizzolato teriam sido monitoradas pela Polícia Federal e pelo Coaf (órgão que investiga as atividades financeiras no Brasil).

Será que o Presidentro Lula nada falará com o premiê italiano sobre Pizzolato?

sábado, 15 de fevereiro de 2014

GUARDIÕES DA AMAZÔNIA E DO BRASIL

Quem visitou o CIGS sabe das várias emoções que àquele lugar desperta ao neófito; curiosidade, ansiedade, receio, entusiasmo, espanto, êxtase e outras peculiaridades subjetivas. Já faz parte da rotina do Centro receber visitantes, de autoridades à alunos de escolas; adultos e crianças; jovens e os mais experientes que tiveram o privilégio de chegar primeiro a este mundo.

O CIGS é um centro de excelência, de trabalho árduo, preciso e perfeito; errar pode custar caro à quem lá trabalha. Homens que defendem a Amazônia e a Pátria são os guardiões da Selva que nós, brasileiros, preservamos com muitíssima dificuldade pois, outros, não menos brasileiros mas pouco patriotas, a sucateiam e a destroem. 

Preservar a selva brasileira e cuidar daquelas fronteiras é andar no fio da navalha; não poder errar e ter no coração amor incondicional à Pátria.

É muito cômodo olhar o mapa e acreditar que bastaria colocar ali e acolá uma base do Exército e estaríamos vigiando nossas fronteiras. Ledo engano! Nossas fronteiras e a floresta amazônica dispõem de áreas tão extensas que talvez existam ainda locais nunca explorados.

É por isso que determinadas autoridades são convidadas a conhecer o CIGS. Deputados Federais, Senadores, Ministros de Estado, Membros do Judiciário, todos, de uma forma ou de outra, já tiveram oportunidade de conhecer a realidade amazônica. Se aprenderam alguma coisa e aproveitaram para criar leis adequadas à sua preservação é coisa que não sabemos, mas que tiveram a oportunidade de o fazer é coisa certa.

Nelson Jobim e o esforço para a pose fotográfica
Alguns aproveitam a oportunidade para continuar "politicando, afinal posar para fotografias ao lado da Onça mascote do CIGS desperta a atenção e cria um ar de "herói destemido". 

Não raro esses "heróis" colocam a mão naquele animal protegidos pelas duas correntes que o prendem e são seguras pelos soldados tratadores. É um "retrato" interessante de se ver. O ex-ministro da Defesa Nelson Jobim, entre tantos outros, já posou para tais fotos. 

Mas, fácil é colocar a mão na Onça, difícil é abraça-la!

Quando o General Heleno, que comandou o CIGS e foi o primeiro comandante das Forças Especiais no Haiti, foi para a reserva o "destemido herói da onça pintada", obedecendo cegamente à politicalha, proibiu seu discurso, "A contrarevolução que salvou o Brasil", tendo sido avalizado pelo General Comandante do Exército ENZO Martins Peri que, apesar da compulsória, continua no comando até hoje.
A tranqüilidade das Onças na Selva Amazônica

Calaram a Onça segurando-a pelas correntes, esqueceram da familiaridade do Gen. Heleno com a Selva e a sua postura íntegra que amealhou a simpatia de seus comandados e de muita gente brasileira.

Não basta posar ao lado da Onça acorrentada, tem que abraça-la e ter familiaridade tal que se misturam as Onças.

Sorte das cores vermelhas é que a Onça pintada só ataca para se defender.

Selvaaa!!!
  

Perguntas aos Black Blocs



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Professor Thales

Perguntar não ofende.

Por quê o Black bloc só destrói São Paulo e Rio de Janeiro?

Por quê o Black bloc não protesta contra o PT e seus corruptos?

Por quê o Black bloc não protesta em Brasília, onde está a maioria de corruptos, no Senado e na Câmara?

Por quê o Black bloc não protesta contra o aumento absurdo do IPTU, feito pelo petista Haddad em São Paulo?

Por quê o Black bloc não protesta contra o Mensalão? Maior caso de corrupção do Brasil?

Por quê o Black bloc não protesta contra a corrupção no Brasil, manifesta e vandaliza o Instituto Lula, os diretórios do PT, e base alugada, na frente da casa do Lula, Zé Dirceu, João Paulo, Delúbio, Genoino, casa da Rose, da Erenice, do Palocci e do Fernando Pimentel?

Por quê o Black bloc não protesta contra a privatização do Pré-sal, entregue a amigos do PT, quase de graça?

Por quê o Black bloc não tira a máscara e mostra a cara?

Por quê o Black bloc só protesta contra o governador Geraldo Alckmin?

Por último, quanto o PT paga para essa corja destruir São Paulo?